SIMÕES LOPES NETO - ONDE NÃO CHEGA O OLHAR PROSSEGUE O PENSAMENTO 

Porto Alegre, 2016


A exposição *João Simões Lopes Neto - Onde não chega o olhar, prossegue o pensamento*, que aconteceu no Santander Cultural - Porto Alegre, de 19 de outubro a 18 de dezembro, apresentou para seus visitantes uma ampla visão da vida e obra do escritor pelotense. Com um público visitante 153 247 pessoas,  a abrangente mostra, que contou com a curadoria de Ceres Storchi, propôs uma visão ampla da trajetória do escritor registrando seu legado cívico, jornalístico, dramatúrgico, literário e pedagógico,  compreendendo a família, o universo mítico das Lendas do Sul por onde sua obra transita, e o regionalismo dos Contos Gauchescos quando, inovadoramente, o autor dá voz ao gaúcho,  valorizando a história e a tradição do homem do campo e a própria formação do território do Rio Grande do Sul.

" Essa exposição mostra diferentes visões do próprio Simões em relação ao seu tempo e de estudiosos que o pesquisam e que pressupõem seu processo de criação. A rica documentação de distintos acervos testemunha as diversas atividades do escritor, no âmbito da sociabilidade, do jornalismo, da sua visão cívica, do seu conhecimento da ciência para além do seu incrível talento literário." -  Ceres Storchi

SIMÕES LOPES NETO - ONDE NÃO CHEGA O OLHAR PROSSEGUE O PENSAMENTO 

Porto Alegre, 2016


A exposição *João Simões Lopes Neto - Onde não chega o olhar, prossegue o pensamento*, que aconteceu no Santander Cultural - Porto Alegre, de 19 de outubro a 18 de dezembro, apresentou para seus visitantes uma ampla visão da vida e obra do escritor pelotense. Com um público visitante 153 247 pessoas,  a abrangente mostra, que contou com a curadoria de Ceres Storchi, propôs uma visão ampla da trajetória do escritor registrando seu legado cívico, jornalístico, dramatúrgico, literário e pedagógico,  compreendendo a família, o universo mítico das Lendas do Sul por onde sua obra transita, e o regionalismo dos Contos Gauchescos quando, inovadoramente, o autor dá voz ao gaúcho,  valorizando a história e a tradição do homem do campo e a própria formação do território do Rio Grande do Sul.

" Essa exposição mostra diferentes visões do próprio Simões em relação ao seu tempo e de estudiosos que o pesquisam e que pressupõem seu processo de criação. A rica documentação de distintos acervos testemunha as diversas atividades do escritor, no âmbito da sociabilidade, do jornalismo, da sua visão cívica, do seu conhecimento da ciência para além do seu incrível talento literário." -  Ceres Storchi

SIMÕES LOPES NETO - ONDE NÃO CHEGA O OLHAR PROSSEGUE O PENSAMENTO 

Porto Alegre, 2016


A exposição *João Simões Lopes Neto - Onde não chega o olhar, prossegue o pensamento*, que aconteceu no Santander Cultural - Porto Alegre, de 19 de outubro a 18 de dezembro, apresentou para seus visitantes uma ampla visão da vida e obra do escritor pelotense. Com um público visitante 153 247 pessoas,  a abrangente mostra, que contou com a curadoria de Ceres Storchi, propôs uma visão ampla da trajetória do escritor registrando seu legado cívico, jornalístico, dramatúrgico, literário e pedagógico,  compreendendo a família, o universo mítico das Lendas do Sul por onde sua obra transita, e o regionalismo dos Contos Gauchescos quando, inovadoramente, o autor dá voz ao gaúcho,  valorizando a história e a tradição do homem do campo e a própria formação do território do Rio Grande do Sul.

" Essa exposição mostra diferentes visões do próprio Simões em relação ao seu tempo e de estudiosos que o pesquisam e que pressupõem seu processo de criação. A rica documentação de distintos acervos testemunha as diversas atividades do escritor, no âmbito da sociabilidade, do jornalismo, da sua visão cívica, do seu conhecimento da ciência para além do seu incrível talento literário." -  Ceres Storchi

SIMÕES LOPES NETO - ONDE NÃO CHEGA O OLHAR PROSSEGUE O PENSAMENTO 

Porto Alegre, 2016


A exposição *João Simões Lopes Neto - Onde não chega o olhar, prossegue o pensamento*, que aconteceu no Santander Cultural - Porto Alegre, de 19 de outubro a 18 de dezembro, apresentou para seus visitantes uma ampla visão da vida e obra do escritor pelotense. Com um público visitante 153 247 pessoas,  a abrangente mostra, que contou com a curadoria de Ceres Storchi, propôs uma visão ampla da trajetória do escritor registrando seu legado cívico, jornalístico, dramatúrgico, literário e pedagógico,  compreendendo a família, o universo mítico das Lendas do Sul por onde sua obra transita, e o regionalismo dos Contos Gauchescos quando, inovadoramente, o autor dá voz ao gaúcho,  valorizando a história e a tradição do homem do campo e a própria formação do território do Rio Grande do Sul.

" Essa exposição mostra diferentes visões do próprio Simões em relação ao seu tempo e de estudiosos que o pesquisam e que pressupõem seu processo de criação. A rica documentação de distintos acervos testemunha as diversas atividades do escritor, no âmbito da sociabilidade, do jornalismo, da sua visão cívica, do seu conhecimento da ciência para além do seu incrível talento literário." -  Ceres Storchi